terça-feira, 23 de dezembro de 2008

boas festas

Olá pessoas, ando sumido porque praticamente tive que fugir aqui para uma das casas da praia, para conseguir ter um pouco de paz agora nas festas de fim de ano. Aqui não tenho internet mas dei um jeito de entrar aqui pelo meu smartphone (adoro estas maravilhas tecnológicas). Este ano não foi um bom ano para mim, perdi meu avô no começo do ano, houve o sequestro da minha mãe agora no final do ano... Espero que o ano que vem seja bem melhor pra mim, para minha família e para todos vocês que estão lendo isto.
P.S. Sobre a ceia de natal acreditam que ainda não pensei em nada? Será um natal mais pobre que o do ano passado, sem talheres de prata, sem toalha adamascada mas com toda a minha pequena família reunida e isto é o que mais me importa.

sábado, 13 de dezembro de 2008

gelatina de lichia

lichias

Lichia é uma frutinha considerada exótica, tem sabor bem delicado e a textura lembra um pouco a da jaboticaba. A conheci quando eu era pequeno, na época era ainda mais exótica e cara, hoje em dia é até relativamente comum. Sempre a consumi in natura, mas desta vez tentei inovar, gelatina de lichia, por que não?
Descasquei e descarocei cerca de 40 lichias, as bati no liquidificador com um pouco de água, coei, adocei um pouco e juntei a gelatina sem sabor, previamente hidratada e dissolvida em banho-maria. Coloquei em 4 forminhas untadas com uma quantidade ínfima de óleo de girassol e levei à geladeira por cerca de 6 horas. Para desenformar, mergulhei a parte externa das forminhas rapidamente, em água quente, soltei a gelatina e virei sobre um prato de sobremesa.

gelatina de lichia

E foi assim que ela ficou, a servi com uma lichia metade descascada. O resultado foi ótimo, sabor tão idêntico ao da fruta fresca que parecia estar comendo uma lichia gigante, sem caroço!

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

ninhos de merengue

ninho de merengue

Usei esta mesma receita aqui, desta vez usei chantilly, morangos e mirtilos no recheio, e uma colher de coulis de morangos no prato.
Posso dizer novamente, merengues são dos meus doces favoritos!

making of

ninhos de merengue

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

uvas açucaradas

contando

Selecione uvas verdes, escuras ou rosadas, ou então um misto de todas. Corte em pequenos cachos. As uvas sem grainhas, como estas da variedade Thompson são as mais indicadas, pode também usar o mesmo método para açucarar groselhas frescas.
Bata uma clara de ovo levemente, até que comece a fazer espuma. Com um pincel fino, pincele delicadamente cada uma das uvas, é importante observar se todas as uvas foram cobertas com a clara.
Coloque os cachos de uva sobre uma folha de papel vegetal e polvilhe usando uma peneira fina, até que todas as uvas sejam cobertas por açúcar. Retire o excesso de açúcar balançando os cachinhos suavemente, e deixe as uvas secarem.
Não ficam parecendo uvas nevadas? Pode usá-las como decoração de inúmeros doces e sobremesas, principalmente agora nas festas de fim de ano.

uvas glaceadas

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

tesoura de uvas

tesoura de uvas

Nas festas de final de ano, a uva sempre se faz presente, seja no vinho, fresca em fruteiras sobre a mesa ou em forma de passas, em panetones et cetera.
A tesoura de prata para uvas é o triunfo da elegância, existe melhor forma de honrar as uvas que cortando-as com uma tesoura de prata maciça? Hehehehe.

tesoura de uvas

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

música na cozinha



La poule de Rameau numa animação bem divertida. Ótimo para distrair enquanto um bolo não assa (pelo menos a mim).

domingo, 23 de novembro de 2008

domingo é dia de macarrão

na cozinha

E para hoje optei por esta massa aqui, tão simples, mas que já virou um clássico aqui em casa, desta vez usei penne em vez do bavette.
Me alimentei como um operário da construção civil. E ainda teve sobremesa, um pedaço de queijo branco com compota de abacaxi.

camarão

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

compota de abacaxi para crepes

crepes com compota de abacaxi

Lembram-se que comentei no post anterior sobre a compota de abacaxi? Pois bem, sobrou alguma compota que guardei na geladeira. Passado alguns dias a compota fica ainda melhor. Usando a receita básica de massa para crepes, fiz alguns crepes, os recheei com a compota e polvilhei com açúcar fino. É algo bastante simples, mas matou minha vontade de comer doces.
Para a compota usei a receita deste site aqui, em francês. Eu estranhei a quantidade de água pedida, 200 centilitros, ou seja, 2 litros, talvez tenham trocado ml por cl, mas 200ml me parecia pouco, usei então 500ml e achei que foi o suficiente para cozer o abacaxi até ele ficar translúcido. Vou publicar agora a receita, traduzida e adaptada ao meu modo.

Compota de abacaxi

1 belo abacaxi cortado em cubos
200g de açúcar
500ml de água
1/2 colher de café de essência de baunilha

Em uma panela de fundo pesado, cozinhe o abacaxi cortado em cubos em fogo moderado, com a água e o açúcar.
Mexa constantemente para evitar a caramelização ao início.
Acrescente mais água se necessário e deixe cozinhar em fogo baixo.
Quando os pedaços de abacaxi ficarem translúcidos, a compota está pronta.
Acrescente a baunilha e em fogo moderado, deixe que se caramelize por igual.

A compota pode ser usada em crepes, com iogurte, com bolos simples ou onde mais você desejar.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

vienenses

vienenses

Para a massa usei a mesma receita que eu já havia publicado aqui anteriormente, dos vienenses com creme de limão siciliano, mas usando 3 ovos, 3 colheres de farinha e 3 colheres de açúcar, para uma quantidade menor de bolinhos.
Para o recheio usei duas versões, um creme aromatizado com maracujá e baunilha, segui quase totalmente a receita do creme de limão siciliano, omitindo a casca de limão ralada e substituindo o sumo de limão-siciliano por uma quantidade um pouco maior (cerca de 4 colheres de sopa) de polpa de maracujá passada pela peneira, usei também algumas gotas de essência de baunilha.
Os bolinhos que não foram recheados com o creme de maracujá, ganharam no recheio uma deliciosa compota de abacaxi, mas sobre ela eu deixo pra comentar num próximo post. Por mais gostoso que seja o recheio, o que mais me surpreende nestes bolinhos é a textura da massa, é como um pedaço de nuvem.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

presentes da Chantal

presentes da Chantal

Chantal é artista plástica e nasceu na França, ela mora atualmente na costa nordeste do Brasil, no topo de uma colina com vista para o mar, onde vive cercada por um belo jardim tropical, tem um sotaque engraçado, franco-nordestino. Parece uma personagem saída de um livro, ela é tão colecionadora quanto eu, coleciona máscaras orientais, caixinhas para tabaco indianas, e uma infinidade de objetos étnicos. Me faz companhia pela internet nas noites em que temos insônia, consegue conversar sobre os mais diversos assuntos, músicas, e são divertidíssimas as histórias dela sobre as suas viagens ou então sobre a mãe, uma senhora francesa que sempre usa salto, prepara tartes tatin diariamente e alimenta o gato rigorosamente na hora das refeições.
Na sua última viagem, para Londres, enquanto andava pela Portobello road viu uma senhora que vendia pratarias e se lembrou de mim quando viu esta colher de polvilhar açúcar da foto acima. Me mandou com esta caixinha de um delicioso chá de manga do tea palace, que tem pedacinhos de manga cristalizada.
Fico encantado em saber que existem pessoas assim tão legais e gentis :)

domingo, 16 de novembro de 2008

gelatina de maracujá

Não, isto na foto abaixo não é uma gema de ovo gigante! Hehehe, é minha gelatina de maracujá, feita com sumo maraujás, infinitamente melhor que qualquer um destes preparados artificiais para gelatina.

gelatina de maracujá

Gelatina de maracujá

9 maracujás
150g de açúcar
350ml de água
1 envelope (12g) de gelatina em pó incolor
80ml de água para amolecer a gelatina

Retire a polpa dos maracujás e passe por uma peneira, descartando as sementes. Junte o açúcar, a água e misture bem.
Numa tigelinha coloque a água para amolecer a gelatina e o envelope de gelatina, deixe que a gelatina amoleça por cerca de 1 minuto, então leve ao fogo em banho-maria, mexendo até que a gelatina tenha se dissolvido totalmente.
Junte a gelatina dissolvida à mistura de maracujá e despeje numa forma previamente untada com uma fina camada de óleo vegetal.
Leve à geladeira por pelo menos 3 horas. Para desenformar umedeça um pano em água morna e passe à volta da forma, quando notar que a gelatina se soltou da forma, vire rapidamente sobre um prato.

Nota: as fatias de limão são meramente decorativas.

sábado, 8 de novembro de 2008

ovos mexidos com aspargos frescos

ovos mexidos com aspargos

Do maço que cozinhei e servi com molho holandês sobraram 4 aspargos somente, por algum motivo, não os cozinhei, na esperança de fazer algo diferente, ontem acabei não os usando, mas hoje, se não os usasse, iriam estragar. Me inspirei numa receita do Lugar do Olhar Feliz, que foi inspirada nesta receita aqui(em português europeu).
Eu fiz cozinhando os aspargos em água com um pouco de sal, primeiro os talos (descascados e partidos em pedaços), depois as pontas, que cozinham mais rápido. Numa frigideira derreti cerca de uma colher de sopa de manteiga para 2 ovos não muito batidos (usei uns ovos caipiras bem bonitos, de gema bem vermelha), que foram mexidos na panela em fogo baixo, até cozinharem, mas não até ficarem secos, isto é importante ser observado.
Talvez estejam se perguntando: Mas na foto só vejo 3 pontas de aspargos, onde foi parar o outro aspargo? Hehehe, este eu comi ainda na cozinha! Alguém precisava testar se estavam cozidos. E estavam, ainda mantendo certa resistência ao serem mordidos.
Tão simples e tão gostoso!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

sauce hollandaise para os aspargos

Aspargos ao molho hollandaise

A sauce hollandaise, ou molho holandês é acompanhamento clássico para aspargos, mas também vai muito bem com peixe. O preparo é simples, quem já fez maionese caseira certamente não irá errar.
O primeiro passo é clarificar a manteiga, derretendo lentamente um tablete numa panela pequena e de fundo pesado, em chama bem baixa. Retira-se do fogo e se retira toda a espuma que se forma à superfície, depois, com uma colher se transfere toda a manteiga cuidadosamente para uma vasilha, com cuidado para deixar os sedimentos que se depositam no fundo da panela. Clarificando a manteiga ela não torna a endurecer, e pode se conservar mesmo fora da geladeira por bastante tempo.
Para o molho faça assim:

sauce hollandaise

Sauce hollandaise (Molho holandês)

3 gemas de ovos
3 colheres de sopa de água quente
175g de manteiga clarificada sem sal
sumo de 1/2 limão-siciliano
sal e pimenta-branca a gosto

Numa panela pequena e de fundo pesado, utilizando um batedor de arame, bata as 3 gemas de ovos e a água por durante 3 minutos, em chama muito baixa, até que se transforme em uma mistura espumante.
Junte 175g de manteiga clarificada morna aos poucos, batendo sempre a cada adição. Aos poucos vá colocando e batendo ao mesmo tempo o sumo de limão. Tempere com pimenta-branca moída e sal a gosto. Rende cerca de 250 ml de molho.


Os aspargos eu descasquei cuidadosamente a pele mais grossa e os cozinhei no vapor.
Uma curiosidade:

Pinça individual para aspargos

A pinça individual para aspargos apareceu no começo do século XIX, a etiqueta da época mandava não se cortar os aspargos com garfo e faca. A minha, de prata inglesa, foi fabricada na cidade de Birmingham no ano de 1897.

como manda a etiqueta vitoriana

Se você assim como eu também adora aspargos, dê uma olhada neste site, em francês, lá encontrará dicas valiosas, como por exemplo a "mayonnaise au fruit de la passion pour l’asperge à la brésilienne" (maionese ao maracujá, para aspargos à brasileira), que me deixou curiosíssimo, embora "à la brésilienne", me pareceu uma idéia bastante diferente, mas que me agrada e que provavelmente farei um dia.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Panzanella

Panzanella é uma salada italiana a base de pão amanhecido, como a maioria das receitas italianas, é feita com inúmeras variações, no Chucrute com Salsicha da Fernanda Guimaraes Rosa vi duas receita, uma com feijões brancos e outra com aspargos, em ambas o pão não era amolecido em água. Eu fiz seguindo as dicas de duas receitas, uma do livro culinária Itália e outra do livro Sabores da Toscana, ambos da editora könemann. Vou descrever aqui a forma como eu fiz:

panzanella


Panzanella

500g de pão italiano, já duro
sal
5 tomates maduros
1 cebola roxa
1 pepino
1 ramo de manjericão
3-4 colheres de sopa de azeite extra-virgem
pimenta
1-2 colheres de sopa de vinagre de vinho

Corte o pão em cubos e coloque-os de molho em água fria temperada com uma pitada de sal. Esprema para que o pão fique macio, mas não encharcado. Corte os tomates e o pepino em pedaços pequenos, a cebola em fatias finas e as folhas de manjericão grosseiramente, junte-os ao pão e regue com bastante azeite, tempere com sal e pimenta e leve à geladeira por pelo menos 30 minutos, para que os sabores se misturem. Antes de servir junte o vinagre e misture bem.

almoço

terça-feira, 28 de outubro de 2008

pommes duchesse

Fiz no sábado, para uma amiga que veio almoçar aqui em casa comigo, servi como acompanhamento de um filé com molho de cebolas e legumes (mini-cenouras e couve de bruxelas) salteados em manteiga. A receita é da revista gula do mês de junho.

pomme duchesse

Pommes duchesse (batatas à duquesa)

700g de batatas
70g de manteiga extra sem sal
2 gemas
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
1 ovo batido ligeiramente para pincelar
sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
manteiga para untar

Cozinhe as batatas com casca em água temperada com sal. Pele as batatas, amasse-as no espremedor e passe-as pela peneira (usei o passe-vite).
Numa frigideira de fundo grosso, trabalhe o purê com uma espátula, ou com colher de pau, mexendo vigorosamente em fogo forte, para fazer evaporar a umidade da batata.
Quando o purê estiver bem seco, retire a frigideira do fogo e misture a manteiga, as gemas, o queijo ralado, a pimenta e o sal. Bata mais uma vez.
Coloque em um saco de confeitar com bico canelado e pingue o purê sobre um tabuleiro untado com manteiga, formando brioches, bordaduras, bolinhas ou outras composições. Pincele com ovo e leve ao forno médio apenas para dourar.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Biscoitos Duryea

Outro dia mexendo numas velharias aqui em casa encontrei alguns livros que eram da minha avó Marietta, devem ser da década de 50 ou 60, um deles é muito engraçado, sobre boas maneiras (regras como não comer com a boca aberta, todas ditadas neste livro), outro é de receitas doces. Neste há várias receitas de compotas, biscoitos, geléias, bolos, bolinhos, licores et cetera, todas essas coisas que hoje em dia poucas pessoas se dão ao trabalho de preparar por preferirem comprar pronto.
Escolhi uma receita do livro, uns biscoitos preparados com maizena, foi cômodo preparar esta receita pois uso muito pouco maizena, que sempre acaba ficando no armário e como quase todos os produtos, tem prazo de validade.
Tive que adaptar a receita, seguindo como no livro é impossível conseguir fazer algum tipo de biscoito, aumentei a quantidade de farinha e deu certo!
Eis a receita já com as quantidades ajustadas:

Biscoitos Duryea

Biscoitos "Duryea"

100g de açúcar de confeiteiro
240g de farinha de trigo
120g de Maizena
120g de manteiga à temperatura ambiente
2 ovos
1 colher de chá de fermento em pó
algumas gotas de essência de baunilha

Misture todos os ingredientes secos, faça uma cova no centro e junte os ovos bem batidos, a manteiga e a baunilha. Trabalhe bem a massa com as mãos. Forme bolinhas e disponha sobre uma assadeira untada e coberta com papel vegetal, pressione cada uma das bolinhas com os dentes de um garfo e leve ao forno regular por cerca de 10 minutos.

De volta

Não, eu abandonei o blog, estou vivo e bem de saúde, o contrário do meu notebook, que renunciou à luz, talvez para todo o sempre. Foi este o motivo do meu sumiço. Durante este tempo fui algumas vezes para a casa da praia e também para a chácara, onde fiz um monte de coisas legais. Agora estou de volta e pretendo voltar a publicar textos e receitas aqui.
Ainda é bem cedo, o sol ainda mal nasceu, vou aproveitar que caí da cama e ir à cozinha preparar uns biscoitos. Hoje em dia quase toda a gente prefere comprar tudo pronto, eu ainda prefiro os biscoitos caseiros!

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Fim de tarde frio e cinzento

Vez em quando é tão bom dedicar um dia inteiro ao ócio, não é?
Acabei de tomar um chá com biscoitos e estava ouvindo música quando pensei em publicar algo aqui, nada relacionado à cozinha desta vez, sobre música. Novamente sobre Platée de Rameau, minha ópera favorita, morro de inveja da minha amiga Chantal que já a assistiu na ópera de Paris.



Nesta aria a feia e tola ninfa Platée, depois de ter sido enganada por Jupiter é humilhada por todos e volta ao seu poço jurando vingança.
Penso que nem todos gostam, mas acho a música fantástica :)

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

lulas guisadas com tomates

lula na panela

Este preparo foi bem divertido pra mim, comprei as lulas ainda inteiras e não tinha idéia de como limpá-las. Tive que pesquisar e no livro "O essencial da Cozinha" de James Peterson e editora Könemann eu encontrei um passo a passo bem detalhado. É basicamente primeiro cortar os tentáculos bem abaixo dos olhos, para que eles não se separem, depois virá-los e apertar, pra que saia aquela... meleca que tem no meio e que não se come. Feito isso puxa-se todo o interior do saco, que são as víceras e também algo que parece um plástico transparente, que imagino ser como o esqueleto da lula, corta-se as nadadeiras e retira-se a pele arrouxeada. Fiz isso tudo na pia, lavando sempre, a lula ficou bem branquinha e eu a cortei em anéis, mas poderia ter mantido inteiros os sacos caso fosse rechear. Pode se cozinhar lulas de duas formas, rapidamente, em menos de 2 minutos ou lentamente, em qualquer tipo de líquido, caldo, água, vinho et cetera. Lulas maiores tendem a demorar mais a cozer.
Fiz assim: primeiro refoguei em azeite cebola e alguns dentes de alho, todos picados bem pequenos, até ficarem levemente dourados. Juntei a lula e tomate picado sem pele e sem sementes, completei com caldo de legumes até cobrir as lulas , usei também um bouquet de ervas, com salsa e tomilho. Ferveu em fogo baixo por mais ou menos uma hora, até a lula ficar macia e só restar uma pequena quantidade de líquido, acertei a pimenta e o sal, desliguei a panela e salpiquei com salsa picada. Servi com torradas de pão de forma com aioli, com torradas de baguette ou de pão francês teria ficado ainda melhor, mas usei o pão que eu tinha.

guisado de lula com tomate

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Aïoli

aioli

Desculpem pelo sumiço, meu notebook quebrou e eu não tinha como publicar novidades aqui, as máquinas andam revoltas comigo.
Isto eu fiz semana passada, Aïoli, que é um molho a base de alho e azeite. Provençais, catalões e espanhóis brigam pela paternidade dele, é menos firme que maioneses comuns, com sabor bem picante. Serve como acompanhamento para legumes frios, cozidos ou grelhados, peixes, frutos do mar et cetera. Há duas versões, a mais tradicional que usa somente alho e azeite de oliva e a adaptada, com gema de ovo. O aïoli é tradicionalmente feito utilizando um almofariz de pedra e um pilão em madeira de oliveira, há tempos eu busco um almofariz como este, mas não é tarefa fácil encontrar. Fiz no meu almofariz e pilão de mármore, segui a receita que leva gema, mas irei publicar aqui duas versões, com e sem gema. As receitas são do livro Especialidades Francesas da editora Könemann, recomendo muito este livro, além de ótimas receitas há textos muito interessantes sobre vários pontos da rica cozinha francesa.

aioli

Aïoli (versão clássica)

1 cabeça de alho
250-300ml de azeite

Abra a cabeça de alho, separe e descasque os dentes. Pique-os em seguida, pisando o alho num almofariz, ou triturando-o num processador de alimentos.
Adicione azeite gota a gota, mexendo sempre, no caso do molho ficar demasiado espesso, pode juntar azeite em maior quantidade, até obter uma pasta.
Também pode se temperar a pasta com uma pitada de sal e umas gotas de sumo de limão.
Nota: esta versão, que no dia seguinte é ainda melhor, é muito picante.

Aïoli (versão adaptada)

10 dentes de alho
1/2 colher de chá de sal
2 gemas
250ml de azeite
2 colheres de chá de sumo de limão
pimenta preta

Todos os ingredientes devem estar em temperatura ambiente. Descasque e pise o alho com o sal e misture bem com as gemas.
Adicione o azeite num fio fino e mexendo continuamente. Quando a metade do azeite estiver misturada, a pasta já se tornou emoliente, podendo então juntar o resto do azeite em maior quantidade não deixando de mexer.
Por fim misture o sumo de limão e tempere a maionese com pimenta.

aioli

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

limões

amarelo azul e verde

Hoje fiz muitas coisas na cozinha, caldo de legumes, cozinhei legumes no vapor, os congelei e também arrumei outras coisas por lá. Entre uma coisa e outra, reparei nessas cores, tão patrióticas sobre a mesa, não resisti e fotografei. Deve ser aquele espírito nacionalista que aparece com os jogos olímpicos ou copas de futebol. Por falar nisso, não assisti nada das olimpíadas além de um pedaço da abertura. O Brasil já ganhou alguma medalha?
Esses limões tão bonitos talvez virem uma torta merengada amanhã, se sobrar algum tempo, pois tenho que cuidar das minhas orquídeas que andam tão mal-tratadas. Se alguém tiver outra sugestão sobre o que fazer com os limões-sicilianos, eu aceito.

domingo, 3 de agosto de 2008

spaghetti com brócolis e bacon

Spaghetti com brócolis e bacon

De preparo super rápido, essa massa é bem gostosa pros dias de preguiça de cozinhar.
Coloque bastante água para ferver numa panela grande, enquanto isso, lave e corte o brócolis, coloque numa cesta de cozimento a vapor e coloque sobre a panela com água fervente, quando cozinhar, reserve.
Tempere a água fervente com sal e junte a massa, fiz com spaghetti, mas pode ser a massa da sua preferência. Enquanto a massa cozinha, frite em pouco azeite o bacon, e quando começar a dourar, junte dois dentes de alho picados que irão ser refogados na gordura do bacon, por fim junte o brócolis já pré-cozido. Até então a massa já estará cozida, é só escorrer e incorporar ao brócoli com bacon, temperar com pimenta preta e mais sal se necessário, regar com um pouco de azeite e servir.
Em cerca de 20 minutos está tudo pronto!

sábado, 2 de agosto de 2008

sopa de feijão branco e legumes

sopa de feijão branco e legumes

Demolhei o feijão algumas horas antes, os cozinhei sem pressão em água com uma folha de louro e então juntei legumes picados pequenos e refogados em azeite. Usei aqueles legumes que encontrei na cozinha, tinha cenoura, um dente de alho, batata, alho-poró, salsão, brócolis, um tomate sem pele nem sementes e uma abobrinha. Pra temperar nada além de sal e pimenta preta.
Porque sopa não tem mistério, como diz minha tia avó Lili Fontana, sopa começa com um dente de alho, o resto é o que você encontrar na cozinha.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

segunda-feira, 14 de julho de 2008

colheres de prata e monogramas

sugar sifter spoon
Ultimamente não tenho cozinhado nada especial, nem nada que seja novo. Este post é para falar das minhas novas velharias hehe.
sugar sifter spoon
Outra colher de polvilhar açúcar, não é linda? É de prata inglesa fabricada em Londres no ano de 1863, sob o reinado da rainha Vitória, na ponta do cabo há um monograma, "T",o dono da inicial eu nunca saberei quem foi...
Esta veio da Inglaterra e comprei pelo ebay, minha primeira compra lá por sinal, agora que deu certo não pretendo parar, irei comprar tudo! Hahahaha.
No post sobre a outra colher de polvilhar açúcar, uma moça muito gentil chamada Tatiana, comentou ter visto algumas colheres de polvilhar açúcar na edição de junho da revista Gula, comprei a revista e descobri que eram do antiquario Country House Antiques, na rua padre João Manoel, aqui em São Paulo. Liguei para lá e uma moça me informou que todas elas já tinham sido vendidas! Um colecionador comprou todas as peças que apareceram na revista! E eu que pensava ser compulsivo, hehehe.
Ainda são poucas, mas tenho planos de tornar em uma coleção de colheres de prata.
E por falar nelas...
colher de café
Esta também é nova, estilo D. Maria, para café, em prata brasileira com contraste 10 dinheiros, do século XIX, tem um monograma no cabo, D L. Acho os monogramas tão lindos que gosto deles mesmo quando não são minhas as iniciais.

domingo, 6 de julho de 2008

kissel de morango

Kissel é uma sobremesa norte européia, é como uma sopa doce de frutas, que podem ser morangos, framboesas, groselhas et cetera. Pode servir quente no inverno ou frio no verão.
Dei uma olhada em várias receitas, há variações, pode ser feito com arararuta, fécula de batata ou maizena. Como araruta é quase impossível de ser encontrada por cá (eu mesmo já caí no conto da araruta fajuta), fiz com fécula de batata. Vou passar aqui a forma como eu fiz.

kissel de morango

Kissel de morango

250g de morangos
125g de açúcar
2 colheres de sopa de fécula de batata
350ml de água

Lave os morangos, corte as folhas, coloque-os numa tigela e polvilhe com o açúcar. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por cerca de 3 horas.
Use o passe-vite para reduzir a purê ou então bata num processador de alimentos ou hand-mixer e passe por uma peneira.
Misture a fécula de batata na água, até se dissolver totalmente e numa panela leve ao fogo, mexendo sempre até ferver. Junte então o purê de morango e deixe que ferva novamente, mexendo sempre até engrossar um pouco.
Sirva quente ou frio.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

mexendo no louceiro

louça bonita
Vez em quando tiro tudo de dentro dos armários, passo aspirador, um pano úmido, lavo tudo que estava dentro e torno a guardar. Fazendo isso outro dia me lembrei de um comentário da Ana Elisa aqui no blog e pensei em tirar esta foto. Hehehe, não precisa se esconder, pode mexer em tudo, divirta-se!

segunda-feira, 30 de junho de 2008

sablées com frutos silvestres e creme

sablées com physalis e creme

Acho que dando uma rápida olhada no blog é fácil perceber o quanto eu gosto de biscoitos. Fiz estes hoje, a receita original, do livro essencial das sobremesas, era com frutas vermelhas variadas, groselhas brancas e vermelhas, mirtilos e framboesas frescas. Eu tinha physalis e foi o que usei, cortadas ao meio dentro dos biscoitos e algumas inteiras para guarnecer, mas podem ser recheados com as frutas da sua preferência. Os biscoitos embora um pouco trabalhosos no preparo têm uma textura ótima, derretem na boca.

sablées

Sablées com frutos silvestres e creme

185g de farinha de trigo
40g de açúcar em pó
125g de manteiga sem sal fria, em cubinhos
1 gema de ovo
1 colher de sopa de sumo de limão
375ml de natas
1 colher de chá de essência de baunilha
1 colher de sopa de açúcar de confeiteiro
400g de mistura de frutos silvestres
açúcar de confeiteiro, para polvilhar

Pré-aqueça o forno a 160°C. Unte dois tabuleiros de forno e forre com papel vegetal. Peneira a farinha e o açúcar em uma tigela. Com os dedos, esfregue a manteiga na farinha até formar uma mistura esfarelada. Faça uma cova, junte a gema de ovo e o sumo e misture com uma faca. Forme uma bola, cuba com filme plástico e leve à geladeira por 15 minutos.
Divida a massa ao meio. Estenda uma parte entre duas folhas de papel vegetal com farinha (tenha cuidado pois esta massa é muito delicada) até ter 3mm de espessura. Coloque a massa num tabuleiro e leve à geladeira por 5-10 minutos. Com um cortador de 7,5 cm em forma de coração, enfarinhado, corte 9 feitios. Coloque nos tabuleiros preparados, espete com um garfo e leve à geladeira por 10 minutos. Asse 20-25 minuto, ou até que fiquem firmes. Deixe esfriar um pouco no tabuleiro e transfira-os para uma grelha para esfriarem completamente. Repita com o resto da massa.
Bata o creme, a baunilha e o açúcar de confeiteiro até que fique firme. Coloque no centro de um terço dos biscoitos. Coloque alguns frutos à volta e cubra com outro biscoito. Repita com o resto dos biscoitos, creme e frutos, formando 3 montes. Polvilhe com açúcar de confeiteiro.

sábado, 28 de junho de 2008

bolo de laranja

O bolo de chocolate já acabou, aproveitei para fazer outro bolo, tinha umas laranjas bonitas, com casca bem cor-de-laranja. Penso que a laranja ideal para este bolo seja esta, a laranja bahia, que tem uma casca bem bonita. Esta receita é do mesmo livro que comentei ontem, Charlô em Paris.
Usei como cobertura fondant de açúcar, que é comprado já pronto, para usá-lo é só aquecer em banho-maria, se necessário, juntar uma colher de sopa de sumo de laranja para ficar mais fluído.

bolo de laranja

Bolo de laranja

3 ovos
1 xícara de açúcar
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de chá de fermento em pó
1/2 xícara de suco de laranja
raspas de casca de 1 laranja ralada bem fina no ralador.

Quebre os ovos e separe as claras das gemas. Pegue a batedeira e bata as claras em neve.
Numa tigela, junte aos poucos, mexendo sempre com uma colher de pau, as gemas, o açúcar, a farinha e o fermento. Por último, despeje o suco de laranja e as raspas.
Ligue o forno por 15 minutos em temperatura média (180°C.).
Enquanto isso, unte com manteiga uma fôrma de bolo de 20cm de diâmetro com buraco no meio, ou uma assadeira, e polvilhe com farinha, para o bolo não grudar.
Despeje aí a massa, raspando toda a tigela com ajuda de um pão-duro. Leve ao forno e asse por 40 minutos.
Para saber se o bolo está pronto, faça o teste do palito.
Retire o bolo do forno. Para tirá-lo da fôrma, espere esfriar.
Depois, cubra a fôrma com uma travessa ou um prato de servir e vire rapidamente de cabeça para baixo. O bolo sai inteirinho! Se você usou uma assadeira, corte o bolo em quadradinhos, depois de frio, e coloque numa travessa para servir.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

bolo de chocolate com cobertura

bolo de chocolate

Semana passada vi um bolo de chocolate no blog do Bergamo, me deu saudades dos bolos de chocolate fofinhos que minha avó Marietta sempre fazia. Dei uma olhada na receita, que era da Dadivosa, mas não gostei de uma coisa, a receita levava água e óleo, eu lembrava dos bolos da minha avó feitos com leite e manteiga. Me pus a buscar uma receita de bolo de chocolate, por incrível que pareça, quase desisti, não é fácil encontrar uma boa receita simples de bolo de chocolate, na larousse do chocolate há várias receitas, algumas com amêndoas, outras feitas com chocolate em barra, na larousse das sobremesas a mesma coisa, no livro essencial das sobremesas uma receita ótima, mas também com ingredientes não tão simples, como o buttermilk. Eu só queria uma receita simples de bolo de chocolate... Por fim a encontrei num livro que comprei só por ter achado bonitinho, mas nunca dei muita atenção às receitas, Charlô em Paris, uma história de receitas. É um livro de receitas para crianças, com receitas bem simples. Fiz meia receita e adaptei um pouco ela, vou publicar aqui a receita assim como eu fiz (meia receita).

bolo de chocolate

Bolo de chocolate

1 xícara de chá de açúcar
100g de manteiga
2 ovos
1 xícara de chá de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
½ xícara de chá cacau em pó
1 pitada de sal
½ xícara de leite

Na batedeira bata o açúcar e a manteiga até formarem um creme liso. Separe as gemas das claras. Junte as gemas à manteiga com açúcar e bata até ficar claro.
Pré-aqueça o forno por 15 minutos em temperatura média.
Bata as claras em neve.
Misture a farinha, o fermento, o cacau e o sal em uma tigela. Junte ao creme batido e mexa com uma espátula.
Coloque o leite e bata com a batedeira, junte a clara em neve e misture delicadamente com a espátula.
Unte e enfarinhe uma forma de bolo pequena. Despeje a massa do bolo na forma com a ajuda de uma espátula.
Leve ao forno e asse por 30 a 40 minutos. Espete com um palito para saber se está bem cozido.

Para a cobertura usei nutella® um pouco aquecida, misturada com creme de leite.