domingo, 2 de março de 2008

pêssegos Melba

pêssego melba

Talvez seja uma das sobremesas mais clássicas que existem, comendo não é difícil descobrir o porque. Diferente da maioria das receitas, esta tem uma data de criação e um criador. O chef de cozinha francês Auguste Escoffier criou a primeira versão dos pêssegos Melba em homenagem à cantora lírica Nellie Melba, no ano de 1892. A primeira versão era composta por sorvete de baunilha e pêssegos, colocados nas asas de um cisne esculpido em gelo e coberto com algodão-doce. Em 1900 ele criou uma versão mais simples, onde entrava coulis* de framboesa em vez do cisne, Escoffier serviu este prato à Dame Nellie Melba e perguntou se poderia dar o nome dela à sua criação.
Outro dia no horti-fruti fiquei embreagado com o cheiro delicioso que vinha da pilha de pêssegos, eram importados e não estavam muito baratos, mas comprei 8 deles. Me lembrava que tinha framboesas e sorvete de baunilha no freezer, logo me veio à mente fazer os pêssegos Melba, que eu nunca havia feito, mas que cobiçava dos livros de receita desde a infância. É uma sobremesa bastante simples e muito gostosa, servi sem muita pompa. A receita e "origem" eu encontrei no livro essencial das sobremesas, da editora Könemann, embora já tenha visto em tantos outros livros, talvez com pequenas variações.

pêssegos

Pêssegos Melba

300g de framboesas frescas ou congeladas, descongeladas
2 colheres de sopa de açúcar de confeiteiro
375 g de açúcar
1 fava de baunilha, cortada longitudialmente
4 pêssegos, firmes e maduros
sorvete de baunilha, quando servir

Faça um purê com as framboesas e o açúcar de confeiteiro numa batedeira. Passe por um coador e retire as sementes. Junte o açúcar, a vagem de baunilha e 600ml de água numa panela sobre fogo baixo e cozinhe até que o açúcar tenha se dissolvido totalmente.
Ferva o xarope de açúcar e junte os pêssegos, garantindo que fiquem completamente cobertos com o xarope. Cozinhe durante 5 minutos, ou até que fiquem macios, depois tire os pêssegos com uma escumadeira e cuidadosamente retire a casca.
Coloque uma bola de sorvete num prato, junte um pêssego e depois coloque o purê por cima.

coulis de framboesa
*Os coulis são purês de frutas acrescidos de açúcar, ligeiramente cozidos ou não. Podem ser usados em sorvetes, queijos, tortas e tantos outros preparos.
Nota do Daniel: Pode guardar e congelar a calda do cozimento dos pêssegos e usá-la mais tarde para regar pão-de-ló de um bolo recheado ou deixar reduzir em fogo baixo e usar como calda para sorvetes e outros doces.

11 comentários:

Anônimo disse...

Parabens ...vc tem um dos melhores blogs q ja vi!!!!!!!!!!Adoro!! Beijos Luci.
Lucinaraki@uol.com.br

Marizé disse...

Fantástico!

Adorei a simplicidade e as dicas e a história também.

Beijocas

Mónica disse...

Lindo blogue.Já conheço esta receita á bastante tempo,mas nunca experimentei.Acho que as tuas fotos me inspiraram.Bjinhos

Fabi disse...

Oi Daniel! Passo sempre por aqui e adoro o seu blog, suas fotos, suas louças!! Simplesmente demais! Qualquer dia passe lá na minha cozinha... Não é tão chique quanto a sua!! Beijos! Vou te visitar sempre para ter inspiração!!

Michel disse...

Outra receita antiga também são as peras Belle Helène. Vou achar a história e posto depois. Elas foram criadas nos moldes dos seios de alguma Helène famosa.

Daniel Figueiredo disse...

Engraçado é que esta receita das pêras Belle Helene estão na mesma página dos pêssegos Melba, na mesma página também os morangos Romanoff.

nadine disse...

Que je regrette de ne pas lire le Portugais, je passerais pas mal de temps sur ton blog. je me contente des images qui sont fort belles :)
Bises du sud de la France

Daniel Figueiredo disse...

Merci Nadine pour votre commentaire.
Je arrime dans son blog et je ai impressioné. Photos très belles e recettes inspirantes. Félicitations!

Marina disse...

Daniel, quando me casei fiquei obcecada por esses "potes de renda" e tenho açguns aqui em casa! Um, inclusive igual a esse daí!
Lindo! Aliás, suas louças são lindas!
bjs

Daniel Figueiredo disse...

Adoro louça branca fenestrada, aquela fruteira eu encontrei numa feirinha de antiguidades, é uma de um par, tenho a outra que é maior. Sempre que encontro alguma louça fenestrada (hehe ou rendada como você disse) compro, mas são meio difíceis de encontrar, eu pelo menos acho.

Rachel disse...

Põe luxo nisso amigo...sobremesa e mesa.
bjs!!!